sexta-feira, 12 de setembro de 2008

E Tudo o Vento Levou



Estamos no fim do Verão.

Acabaram as férias para muitos, dos poucos, que, ainda, nos visitam durante este período.

É tempo de voltar para a cidade, trabalhar, cuidar dos netos ou simplesmente passar o tempo.

Este é um ritual a que todos já nos habituámos, e sentimos falta sempre que alguém não volta, ou que alguém já não está para receber.

Até para o ano, voltem sempre.

2 comentários:

Joaquim disse...

Pois, nem tudo o vento leva! Há muitas coisas que só o homem, consegue levar! A saudade e a nostalgia, são duas dessas coisas, que nós homens carregamos connosco e levamos para todo o lado!
Saudades, tenho da minha juventude!
Nostalgia, porque os tempos eram outros e não voltam atrás, muitos dos companheiros tambem já partiram e não voltam mais.
Obrigado a todos os que participaram no meu crescimento e na minha formação como pessoa!
Nem tudo o vento leva!!!!!
Não levou a minha recordação!!!!

Joaquim Duarte

Poemas & Contos disse...

Saudade só o Portugûes sabe o significado , e quando esse Portugûes é Alentejano então sim a saudade é coisa que não morre .
Todas as noites ao deitar me lembro com saudade o tempo em que eu palmilhava descalça todos os montes e vales, com a desculpa que ia visitar uma prima que morava lá longe com a intenção de lá trazer um pão para aliviar a fome que então existia.
Mesmo assim vejo-me todas as noites a correr pela trav. do Sr. Figueira, a brincar no adro da Igreja juntamente com as outras crianças que naquele tempo eram tantas, tantas, que hoje ao passar por essas ruas julgo que é uma terra fantasma. Mas as mesmas ruelas, o mesmo adro, o mesmo cheiro a pão quente ainda existe porque não posso de deixar de comprar esse tão gostoso pão no forno da dona Emília.
Esse cheiro tras-me à memória o tempo que jogava às escondidas e até ao tempo em que eu trepava pelas árvores para ir aos ninhos.
Apesar de tudo tive uma infância feliz e saudável,
Cumprimentos para todo o adulto de hoje, mas que comigo brincou nas ruas de S. Martinho.
14/09/08
Maria Marques